- PROGRAMA "DIÁLOGO ABERTO" -
Entrevistas sobre temas sempre importantes.
De segunda a sexta-feira, das 11 às 12 hs.
Produção: Terezinha Jovita
Apresentação: Regina Trindade
Ouça aqui: http://www.rtv.es.gov.br/web/player_radio.htm

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Eleitores de Vitória Precisam Comparecer aos Cartórios Eleitorais a Partir de Hoje

O eleitor que não comparecer
terá seu título eleitoral
cancelado.


Os eleitores de Vitória (ES) terão que comparecer ao cartório eleitoral a partir de hoje (terça-feira, 13 de outubro de 2015) para realizar o cadastro para voto biométrico. A obrigatoriedade inclui também os eleitores para os quais o voto é facultativo (menores de 18 anos, analfabetos e os maiores de 70 anos). A revisão já foi iniciada em diversos municípios, mas está começando hoje em Vitória por ser um dos municípios com maiores números de eleitores no Espírito Santo. O procedimento terá que ser realizado por agendamento que pode ser feito até 27 de março de 2016 nos três cartórios eleitorais de Vitória: Primeira Zona (centro), 52.ª Zona (Praia do Suá) e 56.ª  Zona (Jardim Camburi). O agendamento deve ser feito através da Internet, no site do TRE. Nele o eleitor escolherá a data, o horário e o cartório mais próximo de sua residência. 
A biometria é um estudo estatístico das características físicas e dos comportamentos das pessoas como forma de identificá-las com exclusividade. A Justiça Eleitoral pretende, através dela, ampliar as condições de segurança nos processos eleitorais. O voto biométrico poderá evitar fraudes nas eleições impedindo que alguém vote com o título de eleitor de outra pessoa.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Uma Bela Noite... para vocês!



Tenham todos uma bela noite, todas as noites.


Cena do filme "A Dama e o Vagabundo",
de Walt Disney

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

A Verdade Sobre a Escassez de Água


A culpa
não é somente
de instituições públicas. 

As sucessivas administrações governamentais no Brasil  sempre foram ruins desde 1500, mas quando as pessoas querem, fazem movimentos nas ruas em quase todas as cidades do país, entram em conflitos com policiais, etc. Mesmo assim, esperam que antes os estudantes iniciem seus movimentos, depois decidem apoiá-los. Mas depois, o que acontece? Tudo volta a simplesmente ficar como estava antes. Além disso, há certas coisas que, embora se joguem culpas sobre o poder público, as empresas, etc., são também responsabilidades nossas. Por exemplo, o que estamos vivendo agora: a escassez de água. 
A escassez de água está mais acentuada agora, mas é um problema sobre o qual temos sido alertados durante os últimos 40 anos e não está grave somente em São Paulo ou somente no Brasil. Mas poderia estar menos grave se todos nós tivéssemos dado a devida importância aos alertas que recebemos. Eu me lembro de quando eu costumava comprar revistas importadas e nacionais numa banca perto de onde eu trabalhava, no centro de Vitória (ES). Nessa banca, certo dia, em 1989, comprei uma edição da revista científica americana "Discover" que trazia na capa uma ilustração para a reportagem principal: uma foto do planeta Terra com uma torneira adaptada a ele e, pendendo da torneira, o que seria a última gota de água adequada para consumo humano. A matéria previa, com declarações feitas por cientistas, a situação precária em que estaríamos pouco depois do início do século XXI. Desde antes disto, notícias assim tem sido sempre veiculadas por revistas, telejornais, jornais, rádios, etc., em quase todos os países. Desde então, houve várias conferências e seminários nacionais e internacionais sediadas em vários países sobre o problema da escassez da água, que já estava começando. No Brasil, como também em outros países, muita gente achou que "era tudo sensacionalismo", que era coisa de cientistas que só queriam alarmar a população, que era coisa de "ambientalistas fanáticos", etc. E continuaram as devastações nas florestas, as derrubadas excessivas de árvores, entre outras coisas. Embora muitos ambientalistas vivam dizendo que a "as árvores são lindas" (e é verdade) e "o que é lindo tem que ser preservado", as árvores não existem apenas apenas por estética. Elas tem funções importantes para a sobrevivência de todos. Uma delas é a purificação da atmosfera. As árvores retiram o nitrogênio, que é perigoso para nós, e lançam no ar o oxigênio, o principal elemento que precisamos para respirar. Elas são, se assim posso dizer em termos de comparações, as "vias respiratórias" de todos os seres vivos do mundo, inclusive os humanos. No entanto, a ganância de muitos falava mais alto, e para estes o dinheiro em troca de madeira era mais importante que o oxigênio de que até eles mesmos precisavam para sobreviver. 
A escassez de árvores levou à escassez de chuvas, já que a incidência de oxigênio na atmosfera diminuiu. A escassez de chuvas, com o passar dos anos, levou à escassez de água dos rios. Como se isto não bastasse, os cursos de vários rios foram desviados para construções de estradas, irrigações, etc., e a maioria desses projetos ficou só em intenções, mesmo depois dos desvios. Em cidades como algumas do norte do Espírito Santo, grande parte da população há décadas vem lançando dejetos de todos os tipos nos leitos dos rios que passam por elas. Em cidades banhadas ou cortadas por rios em outros estados, a situação não é diferente. As notícias pelas revistas, jornais e televisão no país e no mundo inteiro continuavam nos advertindo, mas a maioria de nós continuou não dando a menor importância para isto. Mesmo agora, sabendo do agravamento do problema confirmado, ainda há pessoas que lançam água nas ruas para fazer baixar a poeira como se isto adiantasse alguma coisa, ainda há pessoas que lavam as calçadas que em menos de cinco minutos voltarão a ficar como estavam, ainda há pessoas que usam até água potável (destinada somente a consumo humano)para lavar carros e encher piscinas. Isto sem falar nos banhos demorados, na torneira que uma pessoa sempre deixa aberta enquanto enxuga o carro que estava lavando, etc. Agora, muita gente reclama contra o governo, contra empresas, etc., dizendo que deviam ter construído reservatórios, deveriam providenciar cisternas, etc. Deveriam sim, mas acontece que muita gente que agora está fazendo críticas e sugestões não fez sua própria parte enquanto ainda era tempo. O resultado está aí: a falta de chuva prejudica a atividade agrícola, mas a maioria de nós está colhendo o que plantou.

sábado, 22 de novembro de 2014

"Valores Éticos" e "Princípios Éticos"


1- Valores éticos;
2 - Princípios éticos.
"Valores éticos" e "princípios éticos"
são coisas diferentes que, unidas,
definem o senso de justiça de uma pessoa.


"Valores" são níveis de utilidade e de qualidade de algo ou alguém. São níveis de prestígio, qualidade, importância, relevância, mérito, credibilidade, etc. "Princípios" são maneiras de se ver as coisas, regras fundamentais de conduta. Quando falamos em "valores éticos", estamos nos referindo às formas como as pessoas se posicionam no mundo em que vivem e como se relacionam umas com as outras. Logo, é preciso estabelecer as dimensões que podem ser consideradas como valores éticos de uma pessoa. Alguns deles são indispensáveis e insubstituíveis: justiça, liberdade, honestidade, amor, prudência, responsabilidade, sinceridade e respeito.
O valor ético é o respeito por dar a cada um o que é seu por direito. O princípio ético é a consciência da obrigação de ser justo, respeitar todas as determinações legais e fazer todo o possível para garantir às outras pessoas os direitos fundamentais à vida, à liberdade e à dignidade. A ética é, então, o resultado da soma entre os valores e os princípios éticos. Portanto, a justiça pode ser resumida como um profundo respeito pelas pessoas e por seus direitos. Pode-se ir além do que determinam as leis e as convenções sociais, mas com especial atenção à própria dignidade. Isto só é possível através da honradez e da decência. 
Em outras palavras: o valor ético é o respeito por dar a cada um o que é seu por direito e o princípio ético é a consciência da obrigação de ser justo. Para sermos justos, temos que respeitar todas as determinações legais e fazer todo o possível para garantir às outras pessoas os direitos fundamentais à vida, à liberdade e à dignidade. A ética é, então, o resultado da soma entre os valores e os princípios éticos. 
Isto quer dizer que o sentido de "justiça" aglutina os outros valores considerados indispensáveis e insubstituíveis. Afinal, para ter direito à liberdade, cada pessoa precisa respeitar os direitos das demais como seres livres e capazes. Só pode ser considerado honesto quem demonstrar firmeza em seus propósitos de justiça. Só demonstra amor quem respeita a liberdade alheia. Só demonstra prudência quem opta pelo que é necessário escolher e pelo que é preciso evitar. Só demonstra responsabilidade quem assume os benefícios da mesma forma como assume os problemas causados por sua própria condição. Só revela sinceridade quem tenta evitar auto-avaliações incorretas e falsos testemunhos. Só demonstra respeito quem reconhece os direitos alheios. Assim, só demonstra senso de justiça quem age de todas estas formas.

Ilustração: amicus-cloud.com. (com acréscimo do "1" e do "2" feito pelo autor do texto).

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A Diferença Entre a Realidade e a Verdade


A "verdade"
pode ser apenas
uma questão de ponto de vista 
resultante de experiências individuais.



"Imaginação" é o nome que damos à nossa capacidade mental de representar, através da arte, da escrita, etc., objetos e cenas irreais ou reais segundo nossa concepção pessoal da realidade. Talvez a imaginação, pelo fato de não ter limites - ou pelo menos por seus limites ainda não terem sido descobertos - seja o maior poder que um ser humano tenha. Ela pode chegar a tal ponto que às vezes, segundo a filosofia, faz o nosso subconsciente se sobrepor ao nosso consciente. 
"Subconsciente" ou "subconsciência" são palavras usadas em psicologia para definir qualquer conteúdo gerado por fenômenos da mente operante fora da consciência. Por sua vez, a consciência - ou o "consciente" - é a nossa capacidade de processar mentalmente as experiências que vivenciamos. Em termos cientificamente mais detalhados, a consciência é descrita como a capacidade do ser humano receber a relação entre si mesmo e tudo que existe ou é perceptível. Isto inclui qualidades como subjetividade, autoconsciência, aprendizagem e outros temas que são estudados através da filosofia, da psicologia e da neurologia. A própria palavra "ciência" significa "conhecimento", mas é frequentemente mais utilizada como conhecimento adquirido através de estudos profundos e experiências tais como nos casos da biologia, da física, da geologia, da arqueologia, etc.
Por ser considerada uma qualidade psíquica, a consciência também  é relacionada ao poder do pensamento. Por isto, estar consciente não é o mesmo que perceber a realidade, é concluir uma realidade através da dedução, da intuição e/ou da indução. A dedução é um argumento ou um conjunto de argumentos que geram conclusões que geram premissas. "Premissas" são conteúdos que nos levam a informações essenciais para se obter conclusões. A intuição é um raciocínio surgido de uma reação imediata diante de um fato, o que geralmente nos leva a um erro de interpretação. "Indução" é uma palavra que pode ser usada para vários significados dependendo da área de conhecimento na qual ela é usada, mas de qualquer forma é o método de raciocínio usado para se chegar a uma verdade induzida por um processo de aprendizagem ou outras influências.
Por falar em "indução", isto me induz a pensar que "realidade" e "verdade" nem sempre são a mesma coisa. A realidade é tudo que existe e que é entendido pela ciência de forma inquestionável. A verdade é uma interpretação pessoal do que pode ser ou não ser uma realidade. 

  • A ilustração é do autor do texto.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Quem foi João Ubaldo Ribeiro?

Foto: Arquivo Google
Considerado como um dos maiores literatos do Brasil,
foi um dos primeiros 
a se manifestar claramente
contra as mais recentes
mudanças ortográficas.


Pouco tempo antes das atuais regras ortográficas entrarem definitivamente em vigor, João Ubaldo Ribeiro foi um dos primeiros jornalistas famosos a se manifestar contra as mudanças. Numa entrevista ao Jornal Nacional (Rede Globo de Televisão), em resposta a uma justificativa apresentada pelo Ministério da Educação, de que as novas regras trariam melhorias para a participação de produtos brasileiros no comércio internacional, João Ubaldo disse que a China utiliza caracteres que nada tem a ver com com o alfabeto que usamos, e que é o mais usado no mundo, e estava avançando em suas conquistas no mesmo comércio.
João Ubaldo Ribeiro nasceu no dia 23 de janeiro de 1941 em Itaparica, no estado da Bahia. Foi jornalista, escritor, roteirista de cinema, advogado e professor universitário. Em 2008, ganhou a maior premiação para autores de língua portuguesa no mundo: o Prêmio Camões. Como escritor, teve várias obras adaptadas para a televisão e o cinema e recebeu destaques importantes diversas vezes em outros países (Alemanha, Estados Unidos, etc.). Entre suas obras constam "A Casa dos Budas Ditosos", que causou grande polêmica na época de seu lançamento, além de "Sargento Getúlio", "O Sorriso do Lagarto" e "Viva o Povo Brasileiro".
"A Casa dos Budas Ditosos" conta a história de uma mulher nascida na Bahia e que, aos 68 anos, falava de sua própria vida com grande orgulho por ter experimentado todas as infinitas possibilidades do sexo. Publicado pela primeira vez em 1999 (Editora Objetiva), chegou a ser proibido em alguns estabelecimentos de ensino e recebeu uma adaptação para o teatro, por Domingos de Oliveira, em 2004, como monólogo com a atriz Fernanda Torres. O que eu considero mais interessante nas obras literárias de João Ubaldo Ribeiro é que elas retratam, mesmo como ficção, as realidades brasileiras com humor sem perder a seriedade. Tornou-se membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) em 1993.
João Ubaldo estreou no jornalismo em 1957, como repórter para o "Jornal da Bahia". Depois transferiu-se para o jornal A Tribuna da Bahia, do qual foi editor-chefe. Em parceria com o jornalista e cineasta baiano Gláuber Rocha, editou revistas e jornais culturais e participou de um movimento estudantil em 1958. Formado como advogado, nunca exerceu tal profissão, mas após concluir o curso de direito fez pós graduação em administração pública nos Estados Unidos em 1964. Como jornalista, ultimamente ele vinha colaborando para os editais de "O Globo", "O Estado de São Paulo", "A Tarde" e "Jornal da Bahia" (Brasil); "Frankfurther Rundshaw" e "Die Zeit" (Alemanha); "The Times Literary Supplement" (Inglaterra), e "Jornal de Letras" e "O Jornal" (Portugal), entre outros no Brasil e no exterior.
João Ubaldo Ribeiro, pai de Francisca Ribeiro e do ator Bento Ribeiro (que nasceu em Portugal), faleceu na madrugada de hoje, em sua casa no Leblon, Rio de Janeiro (RJ), vítima de uma embolia pulmonar.

Fontes: 
  • Wikipedia
  • "Quem é Quem nos Quinhentos Anos da História do Brasil" - edição especial do Almanaque Abril - ano 2000 - editora Abril.